Quando um turista se prepara para visitar as Pirâmides do Egito, sabe que ali vai encontrar uma série de tumbas, sarcófogos, múmias e todo o fascinante e misterioso universo milenar sobre a concepção funerária e da vida após a morte da cultura egípcia antiga.

Há também quem opte por um tipo diferente de passeio, ou até, digamos, um pouco mais obscuro. Na França, por exemplo, o famoso cemitério parisiense Père-Lachaise recebe cerca de 3,5 milhões de turistas anualmente, que caminham entre velas, vasos de flores, coroas para velório e túmulos célebres como os de Edith Piaf, Jim Morrison, Allan Kardec, Oscar Wilde e outros famosos que ali descansam.

Ainda na na categoria de passeios arrepiantes, as Catacumbas de Paris também são um convite para os mais corajosos, que adentram o escuro subsolo da cidade em meio aos túneis forrados de ossos humanos.

Mas, nem tão sinistros assim, alguns cartões-postais espalhados pelo mundo também são tumbas. Sim, e esse fato talvez ainda seja desconhecido por parte do público que visita esses marcos da arquitetura. Você sabia que esses locais também são memoriais onde repousam pessoas comuns e figuras importantes?

Abadia de Westminster | Londres, Inglaterra

Uma das mais antigas catedrais europeias, a Abadia de Westminster teve sua construção iniciada no ano de 900 e foi concluída em 1090, passando por uma reconstrução em 1517.

A igreja mais importante de Londres foi o palco de eventos históricos como coroações e casamentos da Família Real da Inglaterra. Lá também repousam os restos mortais de membros da aristocracia e de grandes cientistas ingleses. Ali estão Isaac Newton, Charles Darwin e, recentemente, as cinzas do físico Stephen Hawking.

Ilha de San Michele | Veneza, Itália

A charmosa Veneza, Capital do Vêneto, atrai milhares de turistas de todos os cantos do mundo para navegar entre os canais de seu belíssimo conjunto de 100 ilhas. Mas, uma delas, é, de fato, uma ilha cemitério.

Essa joia da arquitetura foi concebida para esse fim, já que em 1807 não havia mais espaço para os sepultamentos nas pequenas ilhas do arquipélago. Além de belíssimas obras de arquitetura funerária, a Ilha de San Michele abriga uma linda catedral.

Taj Mahal | Agra, Índia

Para muitos, o monumental e magnífico Taj Mahal é a expressão máxima do amor e do romantismo. Esta jóia construída em mármore branco foi erguida entre 1632 e 1653 por cerca de 20 mil homens a pedido do imperador Shan Jahan. A meta era homenagear a memória de sua esposa favorita, a bela Arjumand Banu Begum, que faleceu no parto do 14º filho do casal real.

O que talvez nem todos saibam é que o túmulo dela permanece sob o suntuoso monumento, incrustado de pedras semi-preciosas aplicadas pelos maiores artesãos da época.

Kofun Mozu Furuichi | Osaka, Japão

O significado da palavra japonesa kofun é “Túmulo antigo”. E são muitos deles espalhados em meio a paisagem urbana e rural do país. O maior e mais suntuoso deles é o Kofun Mozu Furuichi, que está em Osaka. Recentemente, ele foi tombado pela UNESCO como Patrimônio Mundial da Humanidade. Nele repousa o Imperador Nintoku e outros ancestrais diretos de Akihito, imperador no poder no Japão no momento.

Existem mais de 160 mil sepulturas kofun espelhadas pelo país, em tamanhos menores e alguns deles já misturados à natureza. O interior dessas tumbas continuam um mistério para o povo japonês e para o mundo, já que não é permitido acessar seu interior.

Museu do Ipiranga | São Paulo, SP

Aos fins de semana, os jardins da Parque da Independência são tomados por crianças e adultos. Eles caminham, brincam e aproveitam suas ladeiras para praticar skate, patinete ou apenas pedalar com tranquilidade. Mas ali, onde está o Monumento Independência, com sua tocha sempre acesa, também está instalada, desde 1953, a Cripta Imperial.

Nela estão os restos mortais do Imperador Dom Pedro I, de sua primeira esposa, a arquiduquesa da Áustria e Imperatriz Consorte do Brasil Maria Leopoldina e também da segunda esposa, Amélia Augusta de Leuchtemberg.